Empreender e Teologar

"A convergência de dois olhares específicos em prol do bem comum"


Deixe um comentário

O humor como expressão de saúde psíquica e espiritual

Compartilho esse post do nosso querido L.Boff sobre o humor, pois o mundo carece de humor, de risadas, de alegrias. E mais, engana-se aquele que deve levar a vida sempre com tanta severidade e sem humor. Não leve a vida tão a sério, pois Deus é Amor e Humor também! O Cristão é um ser de alegria!
Paz!

Leonardo Boff

Todos os seres vivos superiores possuem acentuado sentido lúdico. Basta observa os gatinhos e cachorros de nossas casas. Mas o humor é próprio só dos seres humanos. O humor nunca foi considerado tema “sério” pela reflexão teológica, sabendo-se que ele se encontra presente em todas as pessoas santas e místicas que são os únicos cristãos verdadeiramente sérios. Na filosofia e na pscinálise teve melhor sorte.

Humor não é sinônimo de chiste, pois pode haver chiste sem humor e e humor sem chiste. O chiste é irrepetível. Repetido, perde a graça. A historieta cheia de humor conserva sua permanente graça; e gostamos de ouvi-la repetidas vezes.

O humor só pode ser entendido a partir da profundidade do ser humano. Sua característica é ser um projeto infinito, portador de inesgotáveis desejos, utopias, sonhos e fantasias. Tal dado existencial faz com que haja sempre um descompasso entre o desejo e a realidade, entre…

Ver o post original 678 mais palavras

Anúncios


Deixe um comentário

Paciência Pequenez e o Desperceber: Critérios para o Reinado de Deus

Robson Cavalcanti

Leigo, Teólogo Católico

Por ocasião do 16º Domingo do Tempo Comum 20 de Julho de 2014

Referência bíblica: Mt 13. 24-43

Naquele tempo, 24Jesus con­tou outra parábola à multidão: “O Reino dos Céus é como um homem que semeou boa semente no seu campo. 25Enquanto todos dormiam, veio seu inimigo, se­meou joio no meio do trigo, e foi embora. 26Quando o trigo cres­ceu e as espigas começaram a se formar, apareceu também o joio. 27Os empregados foram procurar o dono e lhe disseram: ‘Senhor, não semeaste boa semente no teu cam­po? Donde veio então o joio?’ 28O dono respondeu: ‘Foi algum ini­migo que fez isso’. Os emprega­dos lhe perguntaram: ‘Queres que vamos arrancar o joio?’ 29O dono respondeu: ‘Não! Pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo. 30Deixai crescer um e outro até a colheita! E, no tempo da colheita, direi aos que cortam o trigo: arrancai primeiro o joio e o amarrai em feixes para ser queimado! Recolhei, porém, o trigo no meu celeiro!’”. 31Jesus contou-lhes ainda uma outra pará­bola: “O Reino dos Céus é como uma semente de mostarda que um homem pega e semeia no seu campo. 32Embora ela seja a me­nor de todas as sementes, quando cresce fica maior do que as outras plantas. E torna-se uma árvore, de modo que os pássaros vêm e fa­zem ninhos em seus ramos”. 33Je­sus contou-lhes ainda uma outra parábola: “O Reino dos Céus é como um fermento que uma mu­lher pega e mistura com três por­ções de farinha, até que tudo fique fermentado”. 34Tudo isso Jesus falava em parábolas às multidões. Nada lhes falava sem usar parábo­las, 35para se cumprir o que foi dito pelo profeta: “Abrirei a boca para falar em parábolas; vou proclamar coisas escondidas desde a criação do mundo”. 36Então Jesus deixou as multidões e foi para casa. Seus discípulos aproximaram-se dele e disseram: “Explica-nos a pará­bola do joio”. 37Jesus respondeu: “Aquele que semeia a boa semente é o Filho do Homem. 38O campo é o mundo. A boa semente são os que pertencem ao Reino. O joio são os que pertencem ao Malig­no”. 39O inimigo que semeou o joio é o diabo. A colheita é o fim dos tempos. Os ceifeiros são os anjos. 40Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no final dos tempos: 41o Filho do Homem enviará os seus anjos, e eles retirarão do seu Reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam o mal; 42e depois os lançarão na fornalha de fogo. E aí haverá choro e ranger de dentes. 43Então os justos brilharão como sol no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça”

Introdução

Quero começar dizendo que quando eu me coloco a preparar a reflexão em casa, muitas perguntas vêm à tona, como a de saber o que dizer, se vale a pena dizer, se o povo está disposto a ouvir, as vezes me dá desanimo, alegria, uma mistura de sentimentos. Daí me pergunto: Como Jesus mexe comigo ainda hoje? Como sua palavra de 2000 anos ainda me incomoda ou me alegra?

O evangelho de hoje me incomoda e ao mesmo tempo me traz sentimentos novos, visão nova. Então eu Creio e me alegro, porque EVENGELHO SIGNIFICA BOA NOVA DO REINO DE DEUS.

E tem outra coisa: Essa palavra se fez ser humano e se chama Jesus Cristo. Então fico ainda mais alegre, mais confiante, porque de fato, sinto que Jesus fala comigo e meus sentimentos são o sinal disso.

No evangelho do domingo passado, quem lembra? Falava do semeador. No final Jesus explica a parábola dizendo: O Papa Francisco também nos lembra que é o solo do nosso coração que produz fruto e que devemos nos perguntar: que fruto estamos produzindo? Também lembra que não somos somente terreno, mas semeador. E pergunta: Que tipo de semente estamos lançando para o outro? O que sai do meu coração pela minha boca? Minhas palavras são boas ou más? Hoje somos novamente convidados a perceber o Reino de Deus em nós

Desenvolvimento

O Trigo e o Joio a Mostarda e o Fermento: Paciência, Pequenez, Desperceber

O Trigo e o Joio: Paciência

As parábolas de hoje revelam um DEUS DE AMOR E PACIÊNCIA. A primeira parábola que fala do joio e do trigo, É uma parábola transparente, fala tudo e é explicada por Jesus no seu tempo aos seus discípulos. Seu ensinamento que vale para todo o sempre pode ser sempre atualizado para a nossa vida.

QUEM SEMEOU A SEMENTE BOA – Ser humano / CAMPO – Mundo / BOA SEMENTE – cidadãos do reino / JOIO – O mal / INIMIGO QUE SEMEIA – O diabo / CEIFA – fim do mundo / CEIFADORES – Anjos /

É verdade que existem forças empenhadas para gorar, fazer dar errado a boa colheita, muitas vezes se aproveitando do descuido ou até do momento de momentos de lazer e descanso. Mas cuidado para também não nos transformarmos em Joio! A gente pode se confundir porque ele cresce junto com o trigo. Mas no fim da vida o Joio vai ser separado do trigo e vai para o fogo. Se pergunte: Porque o Reino de Deus não cresce? Porque essa comunidade não cresce? O que eu to fazendo para mudar? Sou mais joio ou trigo? Porque eu acho que Deus não vence o mal? Porque tanta maldade?

O evangelho nos dá a entender que seja porque o joio e o trigo crescem juntos e não dá pra separá-los, pois é perigoso arrancar o mal e o bom também ser arrancado junto, o bom seja confundido com o mal. Mas vai chegará o dia da colheita. Deus quer mostrar e explicar o mistério do mal pra gente.

A mostarda: Pequenez

Nesta parábola DEUS não espera que façamos votos hoje e que de noite já sejamos cidadãos completos para o seu Reino. O Reino é como a semente de mostarda, começa pequeno. Importa que ele cresça. Importa insistirmos em querem ser cidadão desse reino. Vencer a tentação dia-a-dia nos vários lugares de convivência: família, trabalho. Escola, igreja. Fazer ele ficar grande, acolher mais e mais pessoas.

O fermento: Desperceber

E o Reino de Deus não cresce se mostrando. É como o fermento. Ninguém vê o fermento na massa. É como aqui na comunidade. Ninguém aqui se gaba do que fez para torná-la mais bonita, maior, simplesmente fez. No meio de vocês tem gente que faz um rebuliço para ajudar a Igreja de Jesus crescer e ninguém sabe. É assim que tem que ser. Cada um ajude muito, muito essa comunidade, seja com os braços, as pernas, a cabeça, os lábios, os joelhos, com dinheiro, seja doando produtos de limpeza e higiene, pano, tanta coisa. Vem e se doa para Jesus. Se a comunidade cresce, o Reino de Deus também cresce.

O livros do antigo testamento como a sabedoria (12 13.16-19) e o salmo (85(86) confirmam o amor e paciência para que o Reino aconteça na atenção e no cuidado de Deus para conosco, a sua bondade sua clemência e a sua fidelidade. A carta aos romanos ( 8 26-27) mostra o Espírito Santo que nos socorre intercede e age como mediador entre a gente e Deus, tudo em vista de sermos discípulos fiéis.

 

QUEM TIVER OUVIDOS OUÇA!!!

Podemos perceber que estas parábolas dão exemplo de como é o REINO DE DEUS. O tema destas parábolas é REINO DE DEUS. Esse reino que como já disse pode ser compreendido e exige resposta, exige que a gente dê uma resposta, pode ser dada a resposta aqui, na Igreja, ajudando uns aos outros. E quem não aceita essa verdade, essa realidade, por mais que diga outra coisa, no fundo ela se nega a compreender. Ela fica indecisa e resiste a entrar numa nova vida no modelo de um cidadão e cidadã do Reino de Deus.

A gente vê o sinal do Reino de Deus nos atos não é? Mas aonde a gente sente mais forte a presença de Jesus Cristo? É aqui né? Então, a gente precisa ver a Igreja como o Reino que a gente pode ajudar a construir também! É um gesto concreto, que prepara nosso coração para o gesto que só Deus vê.

Eu Espero sinceramente minha gente que a cada domingo o evangelho possa te trazer algo novo para a vida de cada um de vocês, não importa se um sentimento de culpa, cobrança, alegria, esperança, fé, amor. Acho que o que importa é essa novidade, esse falar ao nosso coração, é Jesus falando conosco sobre o Reino de Deus, é a boa nova da salvação e do Reino de Deus entrando na gente.

E é um Reino não como teoria, mas como proclamação que pode ser compreendida e exige resposta, exige que a gente dê uma resposta, uma mudança de atitude, uma nova forma de ver a vida. Quem tem ouvidos ouça!

 


Deixe um comentário

El milagro que Juan Pablo II se negó hacer: Eduardo Galeano

Forte, comovente e verdadeiro…

Leonardo Boff

 Dom Oscar Arnulfo Romero era um bispo do  interior e  conservador. Transferido para a Capital El Salvador  começou a dar-se conta da dizimação que os militares faziam dos opositores da ditadura  e de simples camponeses. Depois de assassinarem o padre Rutilio Grande deu-se conta da barbárie que estava em curso. Converteu-se à causa dos direitos dos pobres e da teologia da libertação que reflete a partir da opressão perversa contra muitos do povo. Encontrei-me várias vezes com ele. Tinha uma clara aura de santidade e a bondade e a doçura de seu olhar o comprovavam.  Numa das vezes em 1979 em Puebla no Mexico me chamou ao lado e pediu-me: “Padre Boff, vc que é teólogo, ajude-nos a fazer uma teologia da vida por que no meu pais a morte é absolutamente banal. Estão matando catequistas apenas pelo fato de terem consigo o catecismo que ensinam crianças,alegando que estão indotrinando-as…

Ver o post original 418 mais palavras


Deixe um comentário

A memória sexual: base biológica da sexualidade humana:

Um artigo que muito enriquece nosso intelecto mas também que mexe com nossos ser e nossos sentimentos

Obrigado amigo L Boff.

Leonardo Boff

Para compreendermos em profundidade a sexualidade humana, precisamos entender que ela não existe isolada, mas representa um momento de um processo maior: o biogênico.

A nova cosmologia nos habituou a considerar cada realidade singular dentro do todo que vem sendo urdido já há 13,7 bilhões de anos e a vida há 3,8 bilhões de anos. As realidades singulares (elementos físico-químicos, microorganismos, rochas, plantas, animais e seres humanos) não se juxtapõem mas se entrelaçam em redes interconectadas constituindo uma totalidade sistêmica, complexa e diversa.

Assim, a sexualidade emergiu há um bilhão de anos como um momento avançado da vida. Depois da decifração do código genético por Crick e Dawson nos anos 50 do século passado. sabemos hoje comprovadamente que vigora a unidade da cadeia da vida: bactérias, fungos, plantas, animais e humanos somos todos irmãos e irmãs porque descendemos de uma única forma originária de vida. Temos, por exemplo, 2.758 genes…

Ver o post original 730 mais palavras