Empreender e Teologar

"A convergência de dois olhares específicos em prol do bem comum"


2 Comentários

PARA REFLETIR…

 

“Penso que os sofrimentos do tempo presente não têm proporção com a glória que será revelada em nós. Pois a criação aguarda na expectativa de que se revelem os filhos de Deus. Entregue ao poder do nada – não por sua própria vontade, mas por vontade daquele que a submeteu –, a criação abriga a esperança, pois também ela será liberta da escravidão da corrupção, para participar da liberdade e da glória dos filhos de Deus. Sabemos que a criação geme e sofre em dores de parto até agora. E não somente ela, mas também nós, que possuímos os primeiros frutos do Espírito, gememos no intimo, esperando a adoção, a libertação para o nosso corpo.” (Rm 8. 18-23)

 Amém!

Deus quer revelar a sua glória através de nós, das nossas ações, pois somos filhos teus à sua imagem e semelhança.

Segundo Paulo, quem nos dá a capacidade de mudança é o Espírito de Deus, o Sopro de vida que Deus nos deu no início das nossas vidas.

Pela ação do Espírito Santo a vida humana sai de uma ênfase baseada no “Eu” e entra em uma dimensão relacional, pois o Espírito Santo é relação. Essa vida relacional tem uma característica cósmica.

Podemos perceber segundo Paulo, que o pecado tem uma dimensão cósmica. Portanto da mesma forma a salvação tem a mesma dimensão, Ou seja, a salvação precisa ser entendida de forma universal.

Precisamos entender que a restauração não está baseada em um tempo vindouro, distante de nós. Mas a renovação de todo o cosmos é simultâneo à renovação da vida humana a partir de uma experiência com Deus, uma experiência religiosa.

Neste texto, a vida cristã é apresentada como uma mudança de paradigmas, onde o Cristão e a Cristã sai do egocentrismo, ou seja, da concepção de que ser humano é o centro do universo e ingressa em uma dimensão relacional da existência em que as relações são restauradas: a relação com o outro, a relação com os fracos, a relação com os inimigos e também a relação com a natureza, ou seja, uma relação com o universo, com todo o cosmos.

Portanto, de acordo com Paulo ao se dirigir a comunidade de Roma, não há vida Cristã que destrua o meio ambiente. Um Cristianismo que não tenha na relação com o meio ambiente uma das expressões da restauração da vida encontra-se ainda preso ao corpo de morte. A natureza é parte integrante da nova vida proporcionada pelo Espírito, libertada pelo Espírito de Deus em nós.

 Robson Cavalcanti

Graduando em Teologia pela Faculdade de Teologia da Igreja Metodista – UMESP

BIBLIOGRAFIA

GARCIA, P. R. . A Ecologia na Perspectiva Neotestamentária. In: Clovis Pinto de Castro. (Org.). Meio Ambiente e Missão – A Responsabilidade Ecológica das Igrejas. São Bernardo do Campo: Editeo – Editora da Faculdade de Teologia da Igreja Metodista, 2003, v. , p. 55-66.

SIQUEIRA, T. M. . “A ecologia vista a partir do Salmo 33.”. In: Clovis Pinto de Castro. (Org.). Meio ambiente e missão: a responsabilidade ecológica da Igreja.. Editeo: , 2003, v. 01, p. 43-54.

Anúncios


Deixe um comentário

Pra que fazer Teologia?

Inevitavelmente sou confrontado com essa pergunta. É só encontrar com alguém e começar a conversar sobre estudo. A primeira pergunta sobre a conversa é: “e aí o que está estudando?” Quando respondo: Teologia! Sinto um silêncio no ar, um olhar de dúvida no rosto da pessoa. Por um momento acho que ela não sabe do que se trata. Depois que passa esse momento, tenho certeza que não sabe direito mesmo. Então vêm as outras perguntas: Mas pra quê fazer Teologia? Você vai trabalhar com que depois? Dá dinheiro? Os que conhecem um pouco melhor a minha vida, ou cultivam alguma religiosidade dizem: “Puxa! Deve ser muito interessante estudar Teologia… e complicado também! Deve haver vários debates! O que vocês falam lá?”

A intenção deste post é justamente dar uma resposta e algumas pistas sobre estas perguntas.

Primeiro de tudo, quero dizer que todos e todas que fazem uma reflexão que envolva religião, Deus, Bíblia, Jesus, etc. Já faz Teologia. Sim! Isso mesmo! Teologia pode ser entendida como um esforço humano que na sua racionalidade tenta entender a ação salvadora de Deus na história, exigindo que os que se dedicam a esse esforço, tenham a fé como princípio. Dificilmente alguém fará teologia sem fé. Isso já indica um dos motivos de fazer Teologia. A fé que nos move, incita-nos a explorar este universo, tentando entender Este Deus, buscando respostas para perguntas que as instituições religiosas não estão interessadas em responder no momento, crises existências diversas, etc. Daí o interessado a dar mais um passo em uma formação integral da fé, se lançando ao desconhecido, dando “um salto no escuro.”[1]

Por outro lado, a Teologia nos ajuda a entender o outro, se relacionar melhor com as pessoas a partir do Deus que se faz comunhão e relação pelo mistério Trinitário. Assim, Pai, Filho, Espírito Santo, se constitui no Deus Trindade que ama cada um e cada uma, pois tem um amor inequívoco à sua criação.

Além de todo este aspecto místico religioso, a Teologia ajuda as pessoas a se tornarem mais cultas. A Teologia como ciência é um campo do saber que dialoga com outras áreas humanas, se configurando em um campo do saber mergulhado em uma interdisciplinaridade. Ela “conversa” com áreas como: Comunicação, Filosofia, História, Ética, Sociologia, Antropologia, Cidadania, Administração, Psicologia, Promoção Humana, Pedagogia, além de todo o conhecimento oferecido pela Ciência Científica, na elaboração do trabalho final de Conclusão de Curso.

Ou seja, toda pessoa que se propõe a estudar Teologia passa a conhecer os aspectos introdutórios de todos estes outros campos do saber, antes de entrar na vertente teológica dos mesmos, como por exemplo, a psicologia da religião, sociologia da religião, Ética Religiosa, etc.

Portanto, quem faz Teologia, agrega conhecimento em todas as áreas da vida, tanto no campo profissional como no social, pois fundamentalmente, a Teologia expressa o amor de Deus pela sua criação inteira, refletindo este amor mútuo especificamente entre os seres humanos.

O que foi dito mostra que a Teologia não é precisamente uma área condicionada especificamente a um campo de trabalho. Os que fazem Teologia podem melhorar sua vida, seu relacionamento profissional, sua carreira, mesmo não atuando diretamente neste campo.

Contudo, não podemos deixar de dizer do campo profissional da Teologia como a docência, assessoria, pesquisa, literatura, etc.

Minha amada esposa Érika inclusive defende a tese de que os profissionais precisam conhecer os aspectos econômicos, políticos, sociais, para contribuir com mais eficiência nas organizações. Eu, não só defendo esta mesma tese, como adiciono o aspecto teológico a mesma.

E o dinheiro? Coisa que na vida de algumas pessoas é o mais importante. Nas áreas citadas acima, o profissional da área de Teologia tem uma remuneração razoável que permite manter sua família, mesmo porque para atuar na docência, por exemplo, o profissional terá que ter um grau de mestre ou em algumas universidades, até o doutorado. Dificilmente um graduado conseguirá um emprego específico desta área.

Mas, isso não é o mais importante, porque como dito no início, a Teologia tem a ver com fé, com Deus e não com dinheiro. O evangelho de Marcos ilustra este preceito: Mc 6.24 “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro.”

Se a preocupação de estudar Teologia estiver relacionada à questão monetária, teremos uma grande contradição, ou seja, um grande pecado. A idolatria.

De forma resumida, eu explico que praticamos idolatria toda vez que o dinheiro é elevado à categoria divina, considerado a resolução para os problemas, meio de salvação para as pessoas e para o mundo, onde as pessoas passam a amar o dinheiro como a coisa mais importante da vida. Quando o dinheiro é elevado a esta categoria, ou seja, quando ele passa a ser “endeusado,” Deus perde a sua importância, colocado em segunda categoria.

Portanto, Teologia não dá e nem deve dar dinheiro, porque senão perde seu caráter de ser Teologia. Infelizmente, nossa sociedade vem transformando a fé em algo cada vez mais utilitarista, mercadológico, invertendo a relação entre Deus e o ser humano. O ser humano, esquecendo de visitar a Bíblia, onde é revelado seu caráter de cultuar Deus, adorá-lo, amá-lo, respeitá-lo, etc. acabam por exigir que Deus faça as coisas na sua vida, como se Deus tivesse o “dever” de fazer as vontades humanas. Hoje as pessoas buscam Deus em troca de bens materiais e milagres, apegados às palavras doces e alienadoras dos lideres religiosos. Cometemos assim, não só uma, mas duas idolatrias: a do mercado, referente ao dinheiro, a questão monetária e a do ser humano, do pastor, do padre, do líder religioso. Respondendo a pergunta do post, é “pra isso que eu faço Teologia!” Para analisar esta realidade atual, confrontá-la com os valores fundamentais da fé, na esperança de que o anuncio da vontade de Deus de vida plena e justa para todos e todas, na perspectiva do Reino de Deus que nosso Salvador Jesus Cristo Ressuscitado vem inaugurar, possa levar as pessoas a se converterem a este caminho. Cumprir esta vontade de Deus é servir. Este servir também implica na denuncia do pecado do mundo, das injustiças, das contradições e desta cultura instalada que mata gente todo dia.

Eu não consigo me conformar com um país que é o mais religioso do mundo e que segundo a Oxfam[2]é o segundo país com maior índice de desigualdade, perdendo somente para a África do Sul.

Robson Cavalcanti

Graduando em Teologia pela Faculdade de Teologia da Igreja Metodista – UMESP


[1]     Filósofo e teólogo dinamarquês Sören Kierkegaard (1813-1855).


Deixe um comentário

Teologia…introdução básica

Quero aqui utilizar das contribuições deste grande ser humano, um místico da Terra e principal expoente da Teologia da Libertação, nosso querido Leonardo Boff.

O que é Teologia

Leonardo Boff

Teologia como a palavra sugere é o discurso sobre Deus e de todas as coisas vistas à luz de Deus. Constitui uma singularidade de nossa espécie que, num momento da evolução de milhões de anos, tenha surgido a consciência de Deus. Com essa palavra – Deus – se expressa um valor supremo, um sentido derradeiro do universo e da vida e uma Fonte originária de onde provêm todos os seres.

Esse Deus sempre habita o universo e acompanha os seres humanos. Os textos sagradas das religiões e das tradições espirituais testemunham a permanente atuação de Deus no mundo. Ele sempre atua favorecendo a vida, defendendo o fraco, oferecendo perdão ao caido e prometendo a eternidade da vida em comunhão com Ele.

Pertence à fé dos cristãos afirmar que Deus se acercou da existência humana e se fez Ele mesmo Deus em Jesus de Nazaré. Assim a promessa de união benaventurada com Ele se antecipa e será a destinação de todos os seres e da inteira criação.

Entre as muitas funções da teologia, hoje em dia, duas são mais urgentes: como a teologia colabora na libertação dos oprimidos que são nossos cristos crucificados hoje e como a teologia ajuda a preservar a memória de Deus para que não se perca o sentido e a sacralidade da vida humana, ameaçada por uma cultura da superficialidade, do consumo e do entretenimento. Devemos unir sempre fé com justiça donde nasce a perspectiva de libertação e importa manter a chama da lamparina sagrada sempre acesa, donde se alimenta a esperança humana de um futuro bom para a Terra e a humanidade.

 

Fonte: http://www.leonardoboff.com/site/lboff.htm aceso em 24-01-2012.